segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FELIZ ANO NOVO!


Atolado na Operação Porto Seguro, Paulo Vieira acusa...

Suspeito de fraude acusa presidente da agência de águas
Acusado de ser um dos lideres de um esquema de venda de pareceres no governo federal, o ex-diretor da ANA (Agência Nacional de Águas) Paulo Vieira enviou no dia 20 ofício à ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, com acusações contra o atual presidente da agência.
Preso na Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, Vieira acusa o chefe da Ana, Vicente Andreu Guillo, de uma série de infrações administrativas, como o uso irregular de jatos da FAB. Ele não apresentou provas.
No ofício, de três páginas, Vieira cita primeiro as críticas que recebeu de Guillo em sessão do Senado, no dia 6 deste mês. Guillo disse que o ex-diretor é pessoa "complexa e ambiciosa" que usou o cargo "para delinquir".
O ex-diretor da ANA estaria disposto a fazer acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal sobre supostos crimes apontados pela PF, o que lhe daria benefícios como redução da pena, caso condenado.
Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", Vieira já havia acusado a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, de beneficiar um grupo empresarial suspeito de participar do esquema. A ministra nega.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Apagões são falha humana, diz Dilma, "a humana".


Realmente Apagões são devidos a falha humana - Afinal Dilma é humana.
Nem raios nem falta de investimento. Para a presidente Dilma Rousseff os apagões que têm deixado diferentes Estados às escuras por horas são resultado de "falha humana". Ela admite ainda que, apesar dos investimentos em produção e transmissão, houve uma redução nos gastos com manutenção. Fonte: Folha
 
Realmente, os inúmeros apagões que temos visto no Brasil nos últimos tempos são resultado de falha humana.
 
Falha de Dilma Rousseff, acreditem se quiser, ela é humana. Faltam investimentos na área de geração e distribuição de energia elétrica, Dilma, como sempre, só sabe jogar a culpa nos outros, aliás comportamento típico dos nazi-petralhas.
 
Quando a bomba estoura, ou eles não sabiam de nada, ou foram apunhalados pelas costas ou a culpa é de alguma outra pessoa, certamente no lado mais fraco.
 
Se há acertos no governo, assumem para si os louros dos acertos. Vejam por exemplo o Plano Real que apesar da oposição do PT deu certo e fez com que o desnível social no Brasil fosse reduzido. Quem iniciou o Plano Real foi Itamar Franco e Fernando Henrique, mas Lula assume para si os louros.
 
Precisamos no Brasil de governantes honestos, éticos que não tenham medo de assumir os erros e reconhecer os acertos mesmo que forem acertos de outros.
 
Já estamos cansados desta demagogia populista dos nazi-petralhas.
 

E Cachoeira casou...e bem!

 
 
Cachoeira casou...e bem! com a bela Andressa. Ele explicou por que optou por um grupo restrito de cerca de 35 convidados, a maioria de Anápolis: "Estou me afastando dos políticos."
Num sofá de sua ampla sala de estar, ao lado do piano, ele descreveu um pouco de sua rotina. Disposto a recuperar o peso perdido na cadeia, onde ficou por cerca de nove meses durante este ano, caminha todo dia pela manhã e come enroladinho de queijo com Coca-cola na sequência. Até agora, ganhou 30% da massa perdida. "Aquele spa ali é duro", brinca, copo de uísque na mão.
Andressa diz ter tremido dentro do vestido de renda, modelo curto, da estilista Letícia Bronstein. Questionada sobre a ausência de parlamentares, ela foi na linha do marido: "Nada de político."
Aqui

A face escura de Okamoto.


Um dos fundadores do PT, Paulo de Tarso Venceslau foi expulso do partido e demitido do cargo de secretário de Finanças da prefeitura de São José dos Campos depois de ter revelado a Lula delinquências envolvendo bandidos de estimação do chefe supremo.

Esse foi um dos muitos episódios que lhe permitiram ver de perto a face escura de Paulo Okamotto, iluminada por um artigo publicado no blog do Ucho.

Confira dois trechos do texto reproduzido na seção Feira Livre.:
Okamotto costumava circular pela prefeitura de São José em busca de lista de empresários credores. Ele não ocupava qualquer cargo no paço. Era evidente que buscava recursos paralelos, com a anuência da então prefeita Ângela Guadagnin. No mesmo dia em que a auditoria externa encerrou seus trabalhos e me enviou o relatório, fui exonerado sumariamente a pedido de Paulo Okamotto e Paulo Frateschi, segundo me relatou a própria prefeita.

O administrador do sindicato, Sadao Higuchi, era quem encaminhava os recursos vindos do exterior a Okamotto. Em 13 de junho de 1998, em plena campanha eleitoral, Sadao morreu “afogado” numa represa localizada nas proximidades de Bragança Paulista. (…) Morreu afogado, mas tinha uma contusão na cabeça. Ele teria caído n’água e o barco teria se chocado com ele. Pequeno enorme detalhe: tratava-se de um bote inflável.

Coisa de direitista delirante?

Mais uma da elite golpista?

Invencionice da mídia conservadora?

É difícil enquadrar nesses clichês o economista Paulo de Tarso Venceslau.

Paulista de Santa Bárbara d’Oeste, hoje com 69 anos, Venceslau se engajou na luta armada como ativista da Ação Libertadora Nacional (ALN), participou em setembro de 1969 do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, foi capturado dias depois pela polícia política, passou cinco anos na cadeia e ligou-se a um dos grupos que fundariam o PT. Não é loiro. Nem tem olhos azuis.

Anos depois de ouvir ameaças de morte berradas por torturadores decididos a fazê-lo falar, Venceslau voltou a ouvi-las sussurradas por companheiros decididos a fechar-lhe a boca. Na prisão, poderia ter morrido por insistir em mentira. No PT, quase morreu por ter contado a verdade.
*Blog do Augusto Nunes

sábado, 29 de dezembro de 2012

Governo Dilma tem déficit de R$ 5,5 bilhões nas contas públicas

O governo perdeu o controle dos gastos e chegou ao final de 2012 com enorme dificuldade para o cumprimento da meta fiscal.
As despesas da União, Estados, municípios e estatais ficaram R$ 5,5 bilhões acima das receitas em novembro.
O resultado negativo acendeu a luz amarela para o quadro de deterioração da política fiscal. O último déficit, de R$ 158,6 milhões, foi em março de 2010, ainda no governo Lula.
O resultado negativo de novembro é o maior desde dezembro de 2008, quando as contas públicas fecharam com déficit de R$ 20,9 bilhões.
O tamanho do rombo sinalizou que a equipe econômica terá de abater um volume maior de despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para cumprir a meta de superávit primário – economia feita para o pagamento das despesas com juros da dívida pública – fixada para este ano, de R$ 139,8 bilhões.
* Extraído do texto de Adriana Fernandes e Anne Warth, em O Estado de S. Paulo

PT: do lixo à escuridão.

Interessante é a simbologia NEFASTA que acompanha os passos deste partideco chamado PT. Iniciaram com O LIXO- licitações falsas no recolhimento do lixo nas prefeituras de SP E SANTO ANDRÉ - e vão terminar com RACIONAMENTO DE LUZ , OU SEJA, ESCURIDÃO.
*Graciaslavida, por e-mail, via Grupo Resistência Democrática

Os bandidos agradecem.


A cada Campanha Nacional do Desarmamento, como a que está sendo veiculada, a sociedade fica mais vulnerável, e os bandidos, mais à vontade. Os argumentos das autoridades permanecem mais ou menos os mesmos desde 2004, quando essas campanhas começaram: "a defesa dos cidadãos cabe exclusivamente à polícia e disparos acidentais de armas de fogo provocam tragédias familiares".

Não se discute que é preciso treinamento para manejar armas, como, de resto, é preciso treinamento para dirigir um carro, cujo mau uso o torna tão letal quanto um revólver. Já o argumento de que não cabe ao cidadão ter instrumentos adequados para se defender da ameaça de bandidos armados é ominoso.

O mote da campanha atual é: "Proteja sua família. Desarme-se". Trata-se de uma série de depoimentos de pais cujos filhos foram vítimas de disparos acidentais de armas de fogo. A intenção, segundo o Ministério da Justiça, é mostrar que não vale a pena correr os riscos que ter uma arma em casa implicam. "A arma é um excelente instrumento de ataque e um péssimo instrumento de defesa, principalmente para as pessoas que não têm habilidade em usá-la", disse a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki. Segundo ela, "a sociedade tem o direito de exigir do Estado que qualifique e equipe muito bem os policiais para defendê-la", pois "essa é competência do policial, e não do cidadão".

Trata-se de um raciocínio primário. É óbvio que cabe ao Estado proteger seus cidadãos, pois é o Estado que detém o monopólio do uso legítimo da força. No entanto, como sabe qualquer cidadão letrado, esse monopólio tem sido diuturnamente desafiado pelo crime organizado e pela bandidagem em geral, que mesmo de dentro das penitenciárias conseguem fazer valer a lei da barbárie.

Há cidadãos que desejam ter meios para enfrentar os criminosos, caso os agentes do Estado não estejam por perto para fazê-lo, situação que é rotineira nas grandes cidades. A lei faculta a esses indivíduos o direito de proteger a si e a sua família da melhor maneira possível – é a chamada legítima defesa, UM DIREITO NATURAL. Trata-se de uma questão pessoal, sobre a qual o Estado não pode jamais interferir, pois a lei não determina que os cidadãos devam ficar inertes ante a violência que eventualmente sofram.

Mas o discurso das campanhas de desarmamento transformou o ato de se defender em uma violência equivalente à cometida pelos bandidos – se não pior, porque os criminosos, de acordo com o ‘sociologuês’ acadêmico que pauta esse debate, agem porque são vítimas do "sistema", enquanto os indivíduos que se defendem usando armas de fogo são – estes sim – os elementos violentos do sistema.

Somente neste ano, três inocentes que reagiram a assaltantes armados foram processados por crime de homicídio doloso triplamente qualificado. Em um dos casos, uma senhora de 86 anos cuja casa estava sendo assaltada, em Caxias do Sul (RS), pegou um velho revólver calibre 32 e conseguiu matar o ladrão a tiros. Como a arma não tinha registro, ela foi indiciada e se tornou ré, apesar de ter somente tentado proteger sua vida e seu patrimônio. Trata-se de um episódio exemplar dessa "equalização moral" entre bandidos e vítimas. Em qualquer país civilizado do mundo, esta senhora teria sido mandada para casa com uma lauda de elogios por sua coragem e bravura.

Ademais, de que valem campanhas de desarmamento se os bandidos têm enorme facilidade para obter seu arsenal, até mesmo sob as barbas da Justiça? Têm sido frequentes os assaltos a fóruns, onde ficam guardadas armas e munição apreendidas e que serão usadas como prova nos processos. Sem segurança adequada, esses locais são de "fácil acesso" para criminosos. O caso mais recente ocorreu em Peruíbe, no litoral sul de São Paulo, em 2 de dezembro. Havia apenas um vigia no local, facilmente rendido.

O fato é que as campanhas de desarmamento não são a panaceia contra a violência, e a interpretação que se faz da legislação vigente trata o cidadão possuidor de armas como um delinquente. Isso só é possível num país em que as autoridades, para escamotear sua incompetência na área de segurança pública, atribuem a responsabilidade por parte da violência à própria vítima. Os bandidos agradecem.


*Editorial do O Estado de São Paulo

Um governo de problemas e interesses.


Um advogado do ex-senador Gilberto Miranda conseguiu ser nomeado ouvidor da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquáticos) e, dentro do governo, foi acionado para defender um projeto de interesse de Miranda -o complexo portuário da ilha de Bagres, em Santos. O documento que mostra o duplo papel do advogado, chamado Jailson Soares, foi apreendido pela Polícia Federal na casa do ex-senador no Jardim Europa, na zona sul de São Paulo, durante buscas da Operação Porto Seguro. Ele é uma das provas que a procuradora Suzana Fairbanks juntou na denúncia, obtida pela Folha. O complexo portuário é o maior negócio flagrado pela Operação Porto Seguro: o empreendimento está orçado em R$ 2 bilhões e seria feito numa ilha que pertence à União. Soares foi nomeado ouvidor da Antaq em junho de 2010 pelo então presidente Lula. Foi afastado no dia 27 deste mês.

* Texto por Mario Cesar Carvalho, José Ernesto Credendio e Flávio Ferreira, na Folha de São Paulo.

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Catherine Zeta Jones

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

A hipocrisia da esquerda.


O povo de Cuba vive em plena miséria.


Mas a casa de Fidel em el Laguito é um anexo ao Viejo Country Club Provincia de Cubanacan.Um luxo.

O vagabundo.


Hoje, Lula não passa de um reles cidadão e a ele me dirijo como sempre fiz nos tempos de presidência. Assim como milhões de brasileiros de bem, considero Lula um vagabundo com todas as letras e rimas, além de acintoso. O que causa mais tristeza é que durante oito anos, por culpa de uma parcela incauta que foi abduzida ...pelas esmolas sociais e pelas pilhas de carnês vencidos, o Brasil esteve nas mãos de um vagabundo, agora sem as aspas porque a declaração é minha e não sou covarde como ele, que destruiu o País, levando-o à encruzilhada da insolubilidade. Coisa de vagabundo.

O "deprê" da Rose


Há informações de que Rosemary Noronha se encontra depressiva. A amigos diz que "seu mundo acabou" e que jamais a imprensa malvada e golpista lhe dará trégua.
Enquanto o ex-presidente, acompanhado de sua esposa, viajava pela Europa, o comando do PT e a direção do Instituto Lula se movimentaram para manter a "companheira" Rose em lugar incerto e não sabido.
A própria Rose sabe que não pode sair para lugar nenhum, pois será alvo da curiosidade de todos e da imprensa.
A última vez que foi vista em público estava com o ex-ministro José Dirceu e a namorada dele, passando o fim de semana prolongado numa praia da Bahia.
Hoje esses tempos são só saudade, embora muitos petistas insistam na tese de que a memória do brasileiro é fraca e logo,logo, todos se esquecerão do episódio.
Mas, por enquanto, segue a lei e não se ausenta de São Paulo já que continua sendo investigada pela Polícia Federal ( no caso dos euros para o Banco Espírito Santo ) e já é quase ré na Justiça pois um inquérito, em que ela está indiciada, já foi remetido à Justiça Federal.
O seu temperamento autoritário e explosivo foi colocado de lado, afinal, já não dispõe do "poder" e da "influência" de antes. 
Mas ela sabe demais. Por isso o PT teme sua possível rebeldia. Ela é considerada uma bomba-relógio, que nem o PT nem o Instituto Lula sabem como desarmar. É uma novela eletrizante, e estamos apenas nos capítulos iniciais.
* Com Carlos Newton, via Grupo Resistência Democrática

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

As verdadeiras "zelites"

Nada de especial na imagem. Indica apenas tratar-se de um senhor de posses. A bermuda é da marca francesa Vilebrequin. No Brasil informa a VEJA, custa R$ 600.
Esta senhora à esquerda, de óculos e chapéu de praia, é Rosemary, a amigona do Zé,NAMORADA DO LULA, em companhia da namorada do poderoso chefão petista, Evanise Santos, com óculos Prada CUJO VALOR É DE TRES MIL REAIS

O livro de Jefferson pode ser uma bravata.

Roberto Jefferson, o homem que brigou com José Dirceu e denunciou  o "mensalão" depois que se sentiu traído por seus, digamos, comparsas, promete publicar um livro com bastidores inéditos do escândalo que só não derrubou Lula por milagre, quer dizer, pela frouxidão da oposição no Brasil.
Mas quem de sã consciência, "e a esta altura do campeonato", acredita em Jefferson que já chegou até a inocentar, publicamente, o Lula?

Mais uma da Rose.

PF investiga as ligações de Rosemary com a cúpula do BB. Presidente do banco indicou marido de servidora investigada pela Operação Porto Seguro para integrar conselho da BrasilPrev.

Indiciada pela Polícia Federal na Operação Porto Seguro, a ex-chefe de gabinete da presidência da República em São Paulo Rosemary Nóvoa de Noronha tem chamado a atenção dos investigadores pela capacidade de influir na nomeação de pessoas para cargos estratégicos no governo federal. Conseguiu nomear dois diretores de agências reguladoras, Paulo Vieira, na Agência Nacional de Águas (ANA), e Rubens Vieira, na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Rosemary também beneficiou a família. Indicou a filha Mirelle Nóvoa para um cargo de assessoria na Anac, bem como o marido, José Cláudio de Noronha, para uma vaga de assessor especial na Infraero.
Neste momento, os investigadores estão se aprofundando sobre as ligações de Rosemary com a cúpula do Banco do Brasil. O marido dela, José Cláudio, foi nomeado para integrar dois conselhos de administração de empresas ligadas ao banco: o BB Seguros e a Brasilprev. No caso da Brasilprev, o presidente do banco, Adelmir Bendine, pediu a nomeação em agosto do ano passado – atendendo um pedido de Rosemary, segundo fontes do BB ouvidas por ÉPOCA. No dia 8 de dezembro de 2011, a nomeação de José Cláudio, aprovada em reunião no dia 15 de agsto de 2011, foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, local onde a BrasilPrev tem sede.
* Revista ÉPOCA

Previsões.


Grampo complica situação de Rose.

Ligação mostra que ex-chefe de gabinete da Presidência em SP usou o cargo para conseguir reuniões de autoridades com integrantes da quadrilha.

Rosemary Nóvoa
Rosemary foi exonerada pela presidente Dilma Rousseff (Denise Andrade/AE)
Um grampo da Polícia Federal captado durante a operação Porto Seguro revela que o empresário Paulo Vieira, apontado como chefe da quadrilha que fazia tráfico de influência em órgãos federais, conversou com um homem identificado pelo nome de César sobre reunião com o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel. A conversa foi no dia 23 de maio, às 11h07. "A agenda do Alípio com o ministro do Desenvolvimento foi marcada pro dia 6 de junho, eu preciso falar com o Alípio urgente pra falar da agenda", disse Vieira.
O diálogo complica ainda mais a situação de Rosemary Nóvoa de Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo. Para a PF, anotações na agenda de Rosemary – conhecida como Rose – mostram que ela se empenhou em promover reuniões de integrantes da organização criminosa com autoridades, "valendo-se do cargo de chefe de gabinete regional da Presidência". Com a revelação do esquema, Rose foi exonerada do cargo pela presidente Dilma Rousseff.
No documento, a ex-assessora, que fora indicada para o cargo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, escreveu um lembrete: "Agendamento de reunião com min. Pimentel no interesse de Alípio Gusmão – Bracelpa". Gusmão é conselheiro da Associação Brasileira de Papel e Celulose (Bracelpa).
Em outra interceptação, a PF flagrou conversa entre Vieira e seu irmão, Rubens, também no dia 23 de maio, às 15h32. Eles falam da campanha de Fernando Haddad (PT), eleito prefeito de São Paulo nas eleições de outubro. O diálogo mostra prestígio de Rosemary em questões internas do partido. "É o seguinte, Rubens, o PT deve pedir pra Rose uma pessoa pra fazer parte da Comissão do Programa de Governo na área de controle, transparência, essas coisas", disse Vieira. "Certo", respondeu Rubens.
"O candidato natural seria eu, porque eu vim da CGU (Controladoria-Geral da União), mas é que eles não sabem", prosseguiu Vieira. "Mas eu não vou fazer parte de comissão pro Fernando Haddad nem aqui nem na China. Aí eu falei pra Rose que o nome ideal seria você." "Mas de controle?", indagou Rubens. "Claro! Controle é direito administrativo", incentivou Vieira.
"Eu vou montar um e-mail pra ela explicar lá. Eu vou dizer que você conhece muito porque foi da área de controle por muito tempo como corregedor", completa o chefe do grupo.

O que evitar em 2013.



…Pessoas que afirmam que corrupção é “apenas caixa dois”.
…Pessoas que dizem mais de duas vezes “eu não sabia”.
…Pessoas que prometem cortar “na própria carne”. Dos outros.
…Pessoas que abrem investigações com um “doa a quem doer.”
…Pessoas que prometem a luz no fim do túnel após ter afanado o túnel.
…Pessoas que reagem à vilania assumida com a neutralidade moral.
…Pessoas que são a favor de tudo e contra qualquer outra coisa.
…Pessaos que, munidas das informações, tiram suas próprias confusões.
…Pessoas que têm certas dúvidas, mas nenhuma delas certa.
…Pessoas que fazem previsões infalíveis sem considerar o imprevisível.
…Pessoas que piam depois de ter acreditado piamente.
…Pessoas que falam mal do Ego alheio enquanto vazam por cima.
…Pessoas que imaginam ser possível liderar seguindo a maioria.
…Pessoas extremamente opinativas sem opiniões próprias.
…Pessoas que, além de não fazer nada, fazem isso bem lentamente.
…Pessoas que não são mais aquelas e ainda não viraram outra.
…Pessoas que dizem que não é uma questão de dinheiro, mas de princípios.
…Pessoas de esquerda que largam tudo e vão viver com o Collor e o Maluf.
…Pessoas que dizem não mudar de ideologia, mas já mudaram de apartamento cinco vezes.
…Pessoas que se cercam de ratos e põem a culpa no queijo.
…Pessoas que fazem por pressão o que deixaram de fazer por precaução.
…Pessoas experts que sabem cada vez mais sobre cada vez menos.
…Pessoas que prometem o novo de mãos dadas com o Sarney.
…Pessoas que criticam o velho dizendo coisas definitivas sem definir as coisas.
…Pessoas…
* Josias de  Freitas, com Ilustração via Miran Cartum.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

'Fux falou que o processo não tinha prova', diz Carvalho.

 
O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) afirmou que, antes de ser indicado ao Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Fux o procurou e disse que o processo do mensalão "não tinha prova nenhuma" e que "tomaria uma posição muito clara". As declarações de Carvalho foram dadas ao programa É Notícia, exibido no fim da noite de ontem pela Rede TV.
"Ele foi falar comigo também e, sem que eu perguntasse nada, ele falou para mim o que falou para os outros: que ele tinha estudado o processo, que o processo não tinha prova nenhuma, que era um processo sem fundamento e que ele tomaria uma posição muito clara", afirmou Carvalho.
Primeiro nome indicado ao Supremo pela presidente Dilma Rousseff, em 2011, Fux tornou-se alvo nos bastidores de petistas insatisfeitos com o modo como votou no julgamento do mensalão. O ministro foi o que mais acompanhou os posicionamentos do relator do processo, o hoje presidente do STF, Joaquim Barbosa.
No início do mês, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Fux contou que buscou apoio até do ex-ministro José Dirceu, na época réu no processo do mensalão, para ser indicado ao Supremo. Também foram procurados os ex-ministros Antonio Palocci e Delfim Netto e o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, além do peemedebista Sérgio Cabral, governador do Rio, Estado natal de Fux.
Nessa entrevista, Fux negou ter prometido a algum réu que votaria pela absolvição e disse que leu o processo do mensalão em julho - e não antes de ser indicado, como declarou ontem Carvalho. "Havia essa manifestação cotidiana e recorrente de que não havia provas", afirmou Fux. "Eu pensei que realmente não tivesse (provas). Quando fui ler o processo, no recesso (em julho), verifiquei que tem prova. Eu fiquei estarrecido."
Reformas. Em outro trecho do programa de ontem, Carvalho disse considerar "uma hipocrisia" as críticas de quem ataca "violentamente" o PT e, ao mesmo tempo, é contrário ao financiamento público de campanha. Para o ministro, o sistema atual, com doações privadas, "é o indutor da corrupção".
Carvalho afirmou que Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vão trabalhar pela reforma política no início de 2013. "Eu tenho clareza que nós vamos fazer essa proposta no começo do ano", disse o ministro. Segundo ele, Dilma vai "apoiar fortemente e bancar politicamente essa reforma".
Ao ser questionado sobre o recente escândalo revelado pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, Carvalho reconheceu que houve "baixa exigência" na escolha de nomes para cargos de direção nas agências reguladoras. O esquema desmantelado pela PF envolvia diretores desses órgãos, que negociavam pareceres técnicos com empresas.
"Esse caso das agências reguladoras, eu concordo, nós tivemos um critério de baixa exigência para colocar ali. Falhou o filtro", afirmou Carvalho. "Não tivesse falhado, não tinha havido o que aconteceu. É muito doloroso para nós vermos companheiros nossos que foram se enriquecendo ao longo desses anos. Claro que teve erro."
Ao falar de eleições, Carvalho defendeu apoio do PT ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), para a disputa presidencial de 2018. "Eu não acho que é um cenário absurdo", disse. "Pode ser maturidade do PT convidar outro partido para ser cabeça de chapa e voltar para a planície."
 

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Lucidez.

Faleceu, hoje, aos 105 anos de idade, Dona Canô, mãe de Cetano Veloso e Maria Betânia. Apesar da idade era uma das pessoas mais lúcidas que já conheci.
Uma mulher, além do seu tempo, vivendo intensamente,  de "pé no chão", no seu próprio tempo.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL


feliz natal rd.gif

O grande circo místico.

 
A direita, como se sabe, ou não existe no Brasil, ou então é tudo que contraria qualquer opinião do Zé Dirceu.
No Brasil, golpistas tentam derrubar ex-presidente. A piada é boa, mas a coisa está feia.
O ministro Gilberto Carvalho já avisou que o bicho vai pegar e Zé Dirceu quer a militância nas ruas para defender Lula e o PT. De Paris, Lula já rosnou que vai voltar a percorrer o Brasil com suas Caravanas da Cidadania, como fez nos anos 90, para falar direto com o povo sobre o país maravilhoso que construiu e a herança maldita que recebeu, para satanizar as elites, a direita, a mídia e a Justiça. Ou para desmentir que protegeu Rose Noronha e os irmãos Vieira?
Qual será a motivação da caravana, seu apelo ao público, seus slogans e palavras de ordem? Com alguma ironia, talvez possa se chamar Caravana da Verdade, e sirva para dizer que são mentiras todas as acusações. O mais difícil é imaginar multidões lotando as praças, sem um show de graça de um artista popular ou sorteio de um carro, só para ver Lula falar bem dele mesmo e mal de seus adversários.
Lula ama o palanque, é seu hábitat natural, seu altar, onde se sente melhor do que nos gabinetes, nos palácios ou nos parlamentos, porque só tem que falar, esbravejar e gritar - o que ele mais sabe e mais gosta de fazer. Para um ser mitológico metade homem, metade palanque, diante da multidão amestrada, não há compromisso com a lógica e a verdade, todas as bravatas são bem-vindas, todas as demagogias são aplaudidas, sem responsabilidades nem consequências.
Sem estar em campanha por algum cargo, ou causa, a não ser ele mesmo, Lula vai precisar da "mídia golpista" para dar dimensão nacional à sua luta contra a "mídia golpista". Porque se depender só da TV Brasil e dos blogueiros estatizados, só a militância vai ficar sabendo.
As velhas elites já estão acostumadas a apanhar de Lula, a doar para suas campanhas, e a se dar bem nos seus governos, mas as novas elites sindicais e partidárias não estão preocupadas com as velhas, são progressistas, estão ocupadas com seu próprio progresso.
A direita, como se sabe, ou não existe no Brasil, ou então é tudo que contraria qualquer opinião do Zé Dirceu.
O maior perigo da caravana é virar circo.
*Por Nelson Motta, em O Globo

Sem conserto.


 
Sem conserto – Quem redigiu o discurso de final de ano da presidente Dilma Rousseff é no mínimo roteirista de novela. Fora isso, conseguiu que Dilma, em seu pronunciamento, apresentasse aos brasileiros o Brasil como sendo o país de Alice, aquele das maravilhas.
O palavrório presidencial não poderia fugir do que muitos brasileiros viram e ouviram, pois mesmo não sendo petista de origem, Dilma foi contaminada pela soberba dos companheiros de legenda, que como semideuses jamais erram.
Comecemos pela economia. Dilma afirmou que o ano de 2013 será ainda melhor. Ou a presidente estava de brincadeira ou deverá ganhar uma camisa de força de presente de Natal. Quem disse a ela que este ano foi bom? Com o crescimento econômico em 1%, a inflação oficial, que ela disse ter controlado, em 5,64%, a inadimplência em alta e a indústria brasileira sofrendo como nunca, isso é devaneio. Dilma deveria analisar melhor e com antecedência os textos que lhe dão para ler para não cair na vala do ridículo, pois pela do descrédito ela já passou faz tempo.
Sem qualquer rubor facial, Dilma tocou o discurso adiante e afirmou: “Ao olhar 2012 em retrospectiva, vemos que continuamos crescendo e aprofundamos nossas grandes conquistas. Os resultados deste ano falam por si”. Há dias, Lula disse que não será derrotado por qualquer “vagabundo”, o que é óbvio, pois lobo não engole lobo porque engasga com o pelo. Mas neste domingo, Dilma resolveu chamar todos os brasileiros de palhaços.
Não contente, Dilma reforçou a voz e disparou: “Quando conversei com vocês na celebração do 7 de Setembro, disse que nosso modelo de desenvolvimento precisava ser reforçado em um de seus eixos: a competitividade de nossa economia”. Desde 2005, o ucho.info alerta o governo para o perigoso processo de desindustrialização que vem devastando o setor fabril, mas ninguém deu importância ao fato. Sendo assim, falar em competitividade é no mínimo sandice.
Dilma Rousseff, que deixou o discurso para este domingo (23) sabendo que parte da população estaria emocionalmente fragilizada em função do Natal, disse que o governo está modernizando os aeroportos. Pois bem, quando o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, externou sua preocupação com a situação caótica dos aeroportos brasileiros, Lula chamou-o de idiota. Em seguida, o messiânico Lula prometeu investimentos de R$ 5 bilhões de para ampliar e modernizar os aeroportos brasileiros.
Como nada do que foi prometido passou à seara da realidade, há meses o Palácio do Planalto decidiu entregar três aeroportos para a iniciativa privada, cujas melhorias só ficarão prontas depois da Copa de 2014. Dias atrás, anunciou a privatização de outros dois.
Declarou a presidente que o Brasil construirá 800 aeroportos regionais, assunto que já tratamos, como se o Palácio do Planalto fosse uma usina de varinhas de condão. Oito centenas de aeroportos regionais não se constroem da noite para o dia, a não ser que sejam de brinquedo (do tipo Lego) ou Dilma pretende ficar no poder mais cinco décadas no poder, no melhor estilo companheiro Fidel.
Construir aeroportos exige infraestrutura, algo de que o Brasil padece de maneira vergonhosa. Dilma também garantiu que o País construirá dez mil quilômetros de ferrovias, como se isso fosse um daqueles saudosos trenzinhos elétricos que no passado Papai Noel deixava debaixo da árvore de Natal. Dez mil quilômetros, para que o leitor tenha ideia, é pouco mais do que a distância entre São Paulo e Paris. Deixando de lado as águas do Oceano Atlântico, é muito chão. Fora isso, Dilma disse que duplicará 7,5 mil quilômetros de estradas. Para mensurar o absurdo, 7,5 mil quilômetros é a distância entre as capitais paulista e mexicana.
Quando foi apresentada ao eleitorado brasileiro, Lula disse que sua candidata era a garantia de continuidade. E Lula, messiânico como sempre, tinha razão, pois o ufanismo palaciano continua o mesmo de antes. Sendo assim, passemos às outras inverdades.
Dilma afirmou que o salário do trabalhador ganhou poder de compra, quando na verdade o consumismo se deu na esteira do crédito irresponsável. Até porque, dois terços dos cidadãos brasileiros recebem mensalmente menos do que dois salários mínimos. Essa fórmula mágica cantada por Dilma pode ser conferida no aumento real do salário mínimo para 2013, que será de R$ 1,15. A presidente disse também que está ampliando o crédito ao consumidor e reduzindo sobremaneira as taxas de juro. Sim, é verdade, os bancos reduziram os ganhos, empurrando para baixo o crescimento do PIB. O que mostra que tem fio trocado na economia verde-loura.
Dilma Rousseff, sempre ela, disse que a tarifa de energia elétrica será reduzida para que as indústrias nacionais possam produzir e a economia cresça, pois afinal a nossa “guia” já avisou que em 2013 quer um “pibão bem grandão”. Essa conversa fiada sobre a redução da tarifa de energia só convence quem não raciocina. Há dias, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema desmentiu a presidente e disse, de forma absolutamente clara, que para o Brasil escapar dos apagões, que têm o corrido com impressionante frequência, será preciso investir muito dinheiro no setor. Algo que o governo não faz para que a tarifa de energia não alcance o céu. Com a energia mais barata, o consumo de energia será maior em um país que corre diuturnamente riscos de apagões por falta de investimentos do governo. Sendo assim, para quem não comprou o presente de Natal do amigo secreto, aqui deixamos duas dicas: alguns pacotes de vela ou um lampião.
A presidente afirmou com todas as letras que o governo brasileiro não descumpre contrato. O que é uma inverdade. As negociações com algumas geradoras de energia fracassaram apenas porque o Palácio do Planalto insistiu na quebra de contrato. E esse tipo de comportamento tem assustado os investidores internacionais, que preferem dar outro rumo aos seus tostões. Fosse pouco, quem ousa investir no Brasil tem de desembarcar por aqui já sabendo que o governo é que decidirá qual será a taxa de retorno do dinheiro alheio. Ou seja, o governo é um bando de incompetentes que desconhece o mais raso significado da palavra “planejamento”, arruma quem queira investir no Brasil e ainda quer determinar quanto o dono do dinheiro deve ganhar.
A chefe do Executivo federal encheu os pulmões de ar para anunciar que 1 milhão de famílias foram beneficiadas com o programa “Minha Casa, Minha Vida”. Em 2009, quando o programa foi lançado com a conhecida pirotecnia palaciana, pois era preciso turbinar a candidata Dilma, o eufórico e mitômano Lula disse que em dois anos entregaria 2 milhões de casas. Mais de três anos depois, apenas metade da promessa foi cumprida. Dilma, a magnânima, esqueceu, porém, de dizer que prometeu construir 6 mil creches em quatro anos, mas até agora entregou apenas sete.
Como se fosse prima-irmã de Aladim, o gênio da lâmpada, Dilma disse que o Brasil fará a melhor Copa do Mundo de todos os tempos, dentro e fora do gramado. Inaugurada recentemente, a nova Arena do Grêmio, em Porto Alegre, que não receberá jogos da Copa, é a prova maior que o fiasco será grande. O novo está do tricolor gaúcho está fincado em área de Porto Alegre sem infraestrutura. A praça esportiva tem capacidade para 60 mil pessoas, mas a da estação do metrô mais próxima, cuja saída foi construída do lado errado, tem plataforma com capacidade para apenas 200 passageiros.
Dilma também abordou os investimentos no PAC, pois, segundo Lula, o programa é filho dela. Disse a presidente que até setembro passado foram investidos R$ 386 bilhões no Programa de Aceleração do Crescimento, do R$ 1 trilhão que será investido até 2014. Essa eficiência descomunal do PAC é voz corrente entre os brasileiros do Nordeste. Os que não falam sobre o assunto é porque morreram de sede, uma vez que as obras de transposição das águas do Rio São Francisco estão abandonadas, depois de fortunas investidas com alarde oficial. Hoje, muitas partes dos canais são ocupadas por cabras que pastam no mato que brota entre o concreto. O que faria a felicidade do genial e saudoso Zé Rodrix, que em dado trecho de “Casa no Campo” cantou “Eu quero carneiros e cabras pastando solenes no meu jardim”…
Lula, quando deixou o Palácio do Planalto, surrupiou alguns itens pertencentes ao patrimônio da União, como um crucifixo que estava no gabinete presidencial desde a era Itamar Franco, que até agora ninguém sabe do paradeiro. Contudo, Lula deixou na escrivaninha oficial inúmeros comprimidos de mitomania, versão extra-forte, pois o que Dilma Rousseff mentiu na noite deste domingo (23), antevéspera de Natal, foi uma colossal afronta aos brasileiros que têm a massa cinzenta em perfeito funcionamento.
Estivesse vivo, o espetacular Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, cobraria de Dilma direitos autorais por uso indevido de uma invenção sua, o “Febeapá”, Festival de Besteiras que Assola o País. Ou seja, Dilma, além de presidente da República, nas horas vagas se dedica ao stand up, transmitido em rede nacional com o nosso dinheiro.
*UCHO,INFO

Papai Noel da Dilma.


domingo, 23 de dezembro de 2012

CPI do Cachoeira: como desmoronou a farsa petista

Reportagem de VEJA desta semana mostra que PT tentou usar comissão para perseguir adversários. Deu tudo errado. E Congresso protagoniza novo vexame.

Robson Bonin
SIMBIOSE - O vale-tudo dos petistas na comissão incluiu parcerias inimagináveis em outros tempos, mas compreensíveis nos dias de hoje
SIMBIOSE - O vale-tudo dos petistas na comissão incluiu parcerias inimagináveis em outros tempos, mas compreensíveis nos dias de hoje (Ivaldo Cavalcante/Hoje Em Dia/Folhapress & Cristiano Mariz)
A maneira como foi idealizada, a CPI do Cachoeira não poderia mesmo ter um epílogo menos indecente. Criada pelos radicais do PT para atacar desafetos do ex-presidente Lula na oposição e na imprensa e desqualificar o trabalho do Ministério Público e do Supremo Tribunal Federal, a comissão encerrou seus trabalhos na semana passada exatamente como começou: resumida a uma farsa cujas conclusões não chegaram a preencher duas páginas de papel.
No início do ano, Lula mandou o PT criar a CPI com o pretexto de investigar as relações do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos e empresas públicas e privadas. As nobres intenções ocultavam uma ousada conspirata. Em vez de esquadrinharem os tentáculos da organização criminosa desbaratada pela Polícia Federal, os petistas usariam a comissão para tumultuar o julgamento dos mensaleiros. Durante oito meses, os tarefeiros do partido tentaram constranger ministros do Supremo, distribuíram ataques infundados ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e miraram jornalistas e órgãos de imprensa responsáveis pela revelação do maior escândalo de corrupção da história.
O plano de ataque do PT, porém, começou a desmoronar já nas primeiras semanas de funcionamento da CPI, quando surgiram documentos que revelaram a ponta do que prometia ser um novo escândalo envolvendo política e corrupção. Descobriu-se que a construtora Delta operava um milionário caixa clandestino através de um rol de empresas-fantasma. Até então, a empreiteira chamava atenção apenas pelo meteórico sucesso na obtenção de contratos durante a gestão do ex-presidente Lula. De uma empresa de porte médio, em 2001, ela se transformou na maior e principal prestadora de serviços ao governo federal, chegando a faturar 1 bilhão de reais por ano. Algumas pistas para elucidar o mistério desse incrível sucesso começaram a surgir. A Delta, não por coincidência, mantinha um contrato de consultoria com o ex-ministro José Dirceu, condenado a dez anos de prisão por chefiar a quadrilha do mensalão. A Delta, não por coincidência, fez chegar à CPI informações de que aqueles repasses-fantasma tinham como destino funcionários públicos e campanhas políticas. Ou seja: parte do dinheiro que a empresa faturava do governo era revertido em milionários pagamentos de propina. A insistência em apurar os negócios da Delta fatalmente levaria o PT e o governo ao centro das investigações.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Ministro Joaquim nega prisão imediata para mensaleiros.

Feliz Natal mensaleiros!!!

Barbosa faz a coisa certa e não cai no truque de Dirceu e sua turma; o condenado não consegue, de novo!, o papel de herói

Pronto! O ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão e presidente do Supremo Tribunal Federal, negou nesta sexta o pedido do Ministério Público para prender imediatamente os condenados do mensalão. Chega ao fim, assim, uma das Batalhas de Itararé desse processo. Falha mais uma das crises artificiais com que José Dirceu e sua turma tentavam turvar o ambiente político. Em post publicado ontem às 17h44, no conselho que NÃO dei ao ministro, afirmei que ele deveria resistir à provação, NÃO MANDANDO prender a turma. Desde a semana passada, nos debates da VEJA.com, sustento que eram reduzidíssimas as possibilidades de ele acatar o pedido de prisão.
Reitero este aspecto: foram os mensaleiros e seus braços financiados com dinheiro público naquele troço que parece jornalismo que inventaram essa crise. Fica parecendo agora que Barbosa recusou a prisão porque ficou com receio da pressão deste ou daquele. Não! Ele recusou porque o STF já tem entendimento firmado de que não se começa a cumprir a pena antes do trânsito em julgado, a menos que haja motivos para decretar a prisão preventiva.
Com seu joguinho vigarista, a turma queria transformar uma decisão óbvia de Barbosa numa “vitória política”. Não que Dirceu não esteja se esforçando para ser preso, reitero (trato de novo do assunto no próximo post).
A campanha que o petista condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha move contra o Supremo é, sim, punível, mas não com prisão preventiva. A menos que ele convoque os seus militantes para desordens de rua. Gilberto Carvalho disse que o “bicho vai pegar”, mas só no ano que vem. Como? Haverá uma “Noite dos Cristais” contra a “direita”, os “reacionários”, o STF, o Ministério Público e a “imprensa golpista”?
Nesse caso, mal posso esperar para ver patriotas como José Sarney, Fernando Collor e Paulo Maluf a protestar contra o que Rui Falcão, presidente do PT, já chamou “essa gente suja e reacionária”. Os petistas, como a gente percebe, só se sentem em seu habitat natural com essas pessoas limpas e progressistas.
Barbosa tomou a decisão correta, ainda que muito se tenha conspirado nas sombras, de modo meio canhestro, para que tomasse a decisão errada.
*Texto por Reinaldo Azevedo

Porque hoje é Sábado, um bela mulher.

A bela atriz Laryssa Dias

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O pinóquio criado por Golbery.

"Lula é um personagem inventado por Golbery, o todo poderoso do Governo Militar"
E como todo PINÓCHIO, um dia, cismou de ser um estadista de verdade, daí a coisa complicou......"

Apavorado com o que virá por aí, Lula faz bravata no Sindicato onde trabalhou(?) em São Bernardo.

 
Bravateiro, mentiroso, falastrão, enganador e preguiçoso. Ele não muda nunca.
Em tom cauteloso, procurador diz que avaliará documentos de Valério sobre Lula
MÁRCIO FALCÃO
FELIPE SELIGMAN
DE BRASÍLIA
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta quarta-feira (19) que recebeu documentos do empresário Marcos Valério que comprovariam seu depoimento envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no mensalão.
Gurgel, no entanto, adotou um discurso cauteloso em relação a participação de petista no esquema, já que Valério promete "declarações bombásticas" que não se confirmam.
Entre o material repassado por Valério ao Ministério Público estão comprovantes de depósitos que teriam sido repassados a aliados para pagar despesas do petista.
O procurador, no entanto, evitou fazer considerações sobre a participação de Lula no esquema, colocando em dúvida as falas de Valério e garantindo que irá analisá-las em "profundidade" e "rapidamente".
Alan Marques/Folhapress
O procurador geral da República, Roberto Gurgel
O procurador geral da República, Roberto Gurgel
"Ele teria entregue dois comprovantes de depósitos. Isso tem que ser avaliado, assim como quem são os beneficiários desses depósitos, em que contexto isso foi feito. Tudo isso, enfim, tem que ser aprofundado para que a atuação do Ministério Público seja responsável e com objetivo de tudo apurar", disse.
"Com muita frequência, Marcos Valério faz referência a declarações que ele considera bombásticas, etc, e quando nós vamos examinar em profundidade não é bem isso. Mas vamos ver o que existe no depoimento que possa motivar futuras investigações. Como sempre, nada deixará de ser investigado", completou.
Gurgel disse que uma eventual investigação do ex-presidente será feita por procuradores que atuam na primeira instância da Justiça. "Quanto especificamente ao presidente Lula, eventual investigação já não compete ao procurador-geral da república já que o ex-presidente já não detém prerrogativa de foro. Então se estiver algo relacionado ao ex-presidente isso será encaminhado à Procuradoria da República de primeiro grau", disse.
Gurgel negou que Valério tenha dado um segundo depoimento após envolver o ex-presidente Lula nas denúncias. "Não é verdade. Não houve isso. Não houve nenhum depoimento a não ser aquele que ocorreu em setembro", disse.
"Desde o início da ação penal 470 [mensalão], a conduta de Marcos Valério foi de afirmar esse interesse, mas não concretizar esse interesse com declarações efetivamente importantes para o Ministério Público. Temos agora esse depoimento prestado em setembro e ele será avaliado. Enfim, se tiver outras iniciativas nesse sentido, o Ministério Público está aberto, mas é preciso que haja consistência no que for alegado", afirmou.
E completou: "o Ministério Público não pode ser instrumento de qualquer coisa que não seja adequada.
Segundo o procurador-geral, a defesa de Valério informou que ele não precisa de proteção. "Claro que esse é um aspecto que nós não podemos descuidar e temos que assegurar que ele tenha toda a proteção que seja necessária. Mas a última informação era nesse sentido, de que não havia necessidade de nada nesse sentido".
No julgamento do mensalão, Valério foi condenado a mais de 40 anos pelos crimes cometidos no esquema. Considerado operador do mensalão, após a condenação, Valério procurou o Ministério Público Federal querendo prestar colaborações. A medida foi interpretada como uma medida para forçar que ele entre no programa de proteção a testemunhas para não cumprir a pena.

Governo anuncia pacote para privatização de grandes aeroportos.

O governo anunciou nesta quinta-feira a concessão, à iniciativa privada, dos aeroportos do Galeão (RJ) e de Confins (MG), um plano para aviação regional com investimentos de R$ 7,3 bilhões e a criação de uma nova estatal.
Ao contrário do discurso mentiroso de Dilma , nas eleições, o Governo admite, com ese ato, que Fernando Hernrique Cardoso estava certo em seu projeto de concessãoes e privatizações.
O governo petista, que todo o tempo tentou imitar a gestão economica de FHC, deu alguns passos falsos, e agora tenta, de uma vez por todas, escancarar que seu suporte ideológico só estálevando o país à bancarrota.
O medo de uma Copa e uma Olimpíada decepcionante no que concerne a infraestrutrura de mobilidade e aeroportuária, levou a Dilma a se quedar diante da verdade incontestável: O PSDB esteve certo, o tempo todo, na conduçção do país rumo ao progresso e desenvolvimento.
Para os dois terminais que passarão à iniciativa privada, a previsão de investimentos é de R$ 11,4 bilhões, sendo R$ 6,6 bilhões para o Galeão e R$ 4,8 bilhões para Confins. O edital será publicado em agosto e o leilão está previsto para setembro
No lançamento do pacote, Bittencourt anunciou a criação da Infraero Serviços, que prevê um sócio internacional para a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) administrar aeroportos regionais.
"Queremos trazer qualidade e reconhecimento para a aviação nacional. Temos a Infraero que é uma grande operadora e é importante trazer experiência internacional para que possamos qualificar melhor o quadro da Infraero e em segundo lugar prestar serviço de melhor qualidade em aeroportos", disse em cerimônia no Palácio do Planalto.
Bittencourt disse ainda que os investimentos vão atender às demandas dos grandes eventos esportivos dos próximos anos.

Caças sírios bombardeiam área palestina em Damasco.

BEIRUTE,  (Reuters) - Aviões caças da Síria dispararam pelo menos dois foguetes no campo palestino de Yarmouk, em Damasco, neste domingo, pela primeira vez desde que a revolta contra o presidente Bashar al-Assad surgiu no ano passado, disseram ativistas da capital.
Eles disseram que dezenas de pessoas foram mortas quando pelo menos um foguete atingiu uma mesquita em acampamentos que abrigam os refugiados que fugiram da violência nos subúrbios próximos de Damasco.
Yarmouk, no sul de Damasco, é parte de um arco que inclui de leste a sudoeste da capital da Síria, onde as forças de Assad têm tentado por várias semanas empurrar os rebeldes da área próxima de suas bases.(Reportagem de Mariam Karouny)

COMENTO: Se fosse um ataque de Israel, em resposta a milhares de foguetes que são atirados contra o território e o povo Judeu, a imprensa hipócrita brasileira e mundial colocaria em todas as primeiras páginas e espinafrando Israel. Como não é, colocam a língua e os dedinhos ( aqueles que usam para teclar) em um orifício que vocês imaginam.
São uns comunistas, fascistas, FDP.

Após criticar apagão de FHC, Dilma enfrenta 4 apagões causados por sistema sucateado

Do UOL, em São Paulo :
Foi só a presidente Dilma Rousseff criticar a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pelos "sérios problemas de abastecimento e distribuição de energia" de então que seu próprio governo precisou enfrentar quatro grandes apagões seguidos. Desde que condenou os racionamentos de 2001, em 11 de setembro, diversos Estados brasileiros ficaram sem luz, e, apesar de o Ministério de Minas e Energia dizer que "há uma coincidência ruim nessa sequência de perturbações do sistema brasileiro", especialistas apontam sempre as mesmas razões para tanto blecaute: falta de uma manutenção preventiva pensada, investimentos insuficientes nos equipamentos, que já possuem meio século de existência e estão sucateados, e a necessidade urgente de uma revisão da lógica da rede elétrica.
"O sistema elétrico brasileiro está fragilizado. Grande parte das estações, dos geradores e das linhas de transmissão tem mais de 50 anos, e a conservação dos equipamentos é precária. E o problema não são apenas os equipamentos, mas o modo como a rede opera: uma falha simples em uma subestação acaba derrubando uma linha inteira", avalia o professor Ildo Sauer, do IEE (Instituto de Eletrotécnica e Energia) da Universidade de São Paulo, especialista em fontes energéticas.
Apagão atinge Estados em duas regiões do país
 
Foto 3 de 13 - 26.out.2012 - Veículos circulam pela avenida Agamenon Magalhães, no Recife (PE), às escuras na madrugada desta sexta-feira (26). Um apagão atingiu pelo menos as regiões Nordeste e Norte do país. A informação foi confirmada pela Chesf (Companhia Hidroelétrica do São Francisco) e pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). No entanto, internautas relataram, nas redes sociais, que as regiões Centro-Oeste e Sudeste também foram afetadas.
Para ele, nada justifica os apagões senão a ausência de uma estratégia de "prevenção centrada em confiabilidade". Ou seja, de um método integrado que preveja as falhas, garanta a funcionalidade e o desempenho exigido pelo equipamento e traga maior eficiência do sistema, minimizando o custo do ciclo de vida.
O diretor da Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) Luiz Pinguelli Rosa concorda: a atual rede elétrica nacional, que coloca polos geradores de energia distantes dos grandes centros consumidores, facilita a ocorrência de problemas. "Temos linhas de transmissão enormes, que atravessam Estados inteiros, por isso é preciso uma atenção especial à manutenção", diz.
Ele também ressalta que falta revisão da engenharia adotada pelas empresas do setor. "Muitas concessionárias estão com uma mentalidade de obter apenas o lucro. Mas o setor elétrico está a serviço da sociedade."

Histórico dos apagões

Em 22 de setembro, onze dias após o discurso de Dilma, um apagão atingiu oito dos nove Estados do Nordeste. A causa foi um incêndio na subestação de Imperatriz (MA).
No dia 2 de outubro, outro apagão deixou cinco Estados das regiões Sudeste e Centro-Oeste no escuro. A falha teria ocorrido em um dos transformadores de aterramento de uma subestação da usina hidrelétrica de Furnas, em Minas Gerais.
Em 26 de outubro novo blecaute, desta vez atingindo onze Estados das regiões Norte e Nordeste do país. A causa do apagão foi novamente um incêndio em equipamento entre as subestações de Colinas (TO) e Imperatriz (MA).
No sábado (15), uma falha na usina hidrelétrica Itumbiara, localizada na divisa de Goiás com Minas Gerais, foi responsável por um apagão que atingiu 15 Estados e deixou cerca de 3,5 milhões de pessoas sem energia. A hidrelétrica é de propriedade da Eletrobras Furnas.
O problema teria sido provocado por um raio que atingiu a linha de transmissão, automaticamente desligada pelos disjuntores da subestação. Algumas das turbinas da usina teriam parado de funcionar, e o sistema de segurança desligou os geradores, cortando o fornecimento de energia.
O diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Nelson Hubner, disse, dois dias depois, que "o arranjo da subestação de Itumbiara é muito ruim, desatualizado".
Já Hermes Chipp, diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), afirmou que a "manutenção e a operação" da usina estavam em dia, mas admitiu que atualizações na rede são necessárias. Para ele, em algumas situações, o sistema elétrico precisa "correr riscos de falhas" para que haja equilíbrio entre a segurança e os custos.
"Não dá para executar todas as obras recomendadas ao mesmo tempo porque, se não, a tarifa vai lá para cima."
O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, disse na terça-feira (18) que 22 subestações de energia foram visitadas por técnicos desde novembro. De acordo com ele, das cerca de 300 subestações existentes, 40 consideradas prioritárias deverão ser checadas até janeiro.
Levantamento feito pela Empresa de Pesquisa Energética em novembro apontou que o setor elétrico teria de investir R$ 268,8 bilhões até 2021 para evitar o risco de apagões. Para atender à demanda futura, o país precisaria gastar cerca de R$ 213 bilhões na construção de 65,4 mil MW em usinas (algo como seis hidrelétricas de Belo Monte). Além disso, o país vai precisar aplicar R$ 55,8 bilhões na construção de 47,7 mil quilômetros de linhas de transmissão no território nacional -o mesmo que instalar oito linhões de transmissão de energia ligando o Oiapoque (AP) ao Chuí (RS).

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O trapalhão oficial e o pibinho real.


E o babão do Serra ainda achava que ganharia a eleição...

Talvez até agradecido pela "mãozinha" que lhe deu na eleição, pois sua astenia era visível,
o prefeito eleito Fernando Haddad (PT) elogiou Gilberto Kassab (PSD) e falou em "convergências" com o atual responsável pela cidade.
Haddad lembrou que foi eleito com a bandeira de que tudo iria mudar em São Paulo, com ataques à atual gestão, mas agradeceu a colaboração de Kassab na saída do governo."Quero aqui dar meu testemunho sobre o espírito republicano que o prefeito kassab vem tendo durante a transição, nos fornecendo 100% de todos os dados de projetos, obras. Kassab tem se mostrado um homem comprometido com o futuro da cidade. Na democracia, o período de eleições é para discutir as divergências. Passadas as eleições, se discutem as convergências".
Questionado pela reportagem no final do discurso sobre a mudança de tom em relação às eleições, Haddad disse: "Não tem porque ter um governo de descontinuidade".
Quem diria? Haddad elogia Kassab, Kassab "facilita tudo" para Haddad, e o cagão do Serra ainda achava que ganharia a eleição.
 
Ao que parece a máfia petista, a cada dia, ganha mais adeptos...é o fim dos tempos?
 
*Fonte: Estadão.